Não sei vocês, mas eu acho um verdadeiro encanto ver aquela massinha que vem dentro de uma bisnaga de tintura transformar completamente nossas madeixas. Com ela, a gente pode ser o que quiser e isso é incrível, não acha? Volta e meia me pego curiosa: como funciona a tintura no cabelo, hein? Qual é a mágica dessas misturinhas que são capazes de transformar um cabelo preto em loiro ou um loiro em vermelho ou um castanho em verde?

Como funciona a tintura no cabelo
(Imagem: Schwarzkopf)

Fui atrás dessa explicação e descobri que esse processo é simplesmente incrível. É pura química. Uma química que pode ser divertida e que aguça a criatividade. Mas, tá. Chega de papo e vamos logo às explicações sobre como funciona a tintura no cabelo. Suas visitas ao salão nunca mais serão as mesmas. Vem ver.

Senhoras e senhores, o cabelo

Antes de tudo, para entender como funciona a tintura no cabelo é preciso entender o cabelo em si. Compreender como ele é e do que é feito.

Já explicamos sobre as estruturas capilares aqui, mas não custa dar uma revisada no tema. O cabelo é formado no mínimo por duas estruturas. Uma delas é a cutícula, a camada mais externa que se organiza em forma de escamas sobrepostas. Ela é composta de queratina e moléculas de lipídio (gordura). Quando não há nenhum tipo de intervenção de calor e produtos, elas ficam fechadinhas protegendo o interior do fio.

A tintura funciona dentro das estruturas do cabelo
(Imagem: Schwarzkopf)

A segunda camada é o córtex. Essa estrutura é responsável pela força e forma dos nossos fios. É dentro dele que ficam depositados nutrientes, as pontes de enxofre, água e um elemento-chave para a nossa conversa de hoje: a melanina. Guarde esse nome que vamos falar dela mais pra frente.

Por fim, tem ainda uma terceira estrutura que alguns fios têm e outros não, que é a medula. Quando ela existe, fica bem no centro do fio. A medula não tem nenhuma função específica para o cabelo, mas ela pode, por exemplo, transportar nutrientes da raiz às pontas.

O nome da cor é melanina

As moléculas da cutícula e do córtex são incolores. Naturalmente, o que dá cor aos nossos fios é ela, a melanina, que fica dentro do córtex. É um pigmento natural produzido pelo nosso próprio corpo e que também está presente na pele e nos pêlos.

Uma curiosidade interessante é que existem dois tipos de melanina: a eumelanina e a feomelanina. A mistura desses dois pigmentos naturais e suas proporções é que vai resultar na cor natural dos cabelos.

Mulheres com diferentes tipos de cabelo
(Imagem: Adina Voicu / Pixabay)

Em linhas bem gerais, os cabelos em todo o mundo são divididos mais ou menos assim: 

Pretos

Contêm mais eumelanina e menos feomelanina

Cabelos pretos contêm mais eumelanina e menos feomelanina
(Imagem: Marcelo Chagas / Pexels)

Castanhos

Quantidades abundantes e iguais dos dois tipos de melanina

Cabelos castanhos têm quantidades abundantes e iguais dos dois tipos de melanina
(Imagem: Karolina Grabowska / Pixabay)

Ruivos

Fios com menos eumelanina e mais feomelanina

Cabelos ruivos têm menos eumelanina e mais feomelanina
(Imagem: Adina Voicu / Pixabay)

Loiros

Têm bem pouquinho de cada tipo de melanina em proporções iguais

Cabelos loiros têm baixas quantidades em proporções iguais de eumelanina e feomelanina
(Imagem: Jeff Denlea / Pexels)

Brancos

É quando ocorre a ausência completa de melanina. Como nosso corpo vai parando a produção desse pigmento com o passar do tempo, os cabelos ficam brancos.

Cabelos brancos significam ausência completa de melanina nos fios
(Imagem: cottonbro / Pexels)

Agora, sim: como funciona a tintura no cabelo

Conforme vimos acima, a função das cutículas é ser uma capa protetora de tudo o que tem dentro do fio. É por isso que ela fica fechadinha. Porém, para fazer efeito, a tintura precisa chegar ao córtex. Portanto, vamos precisar abrir as cutículas.

É aí que entra a amônia, substância presente em praticamente todas as tinturas permanentes. Um parêntese: a gente diz “praticamente todas” porque, no geral, tinturas sem amônia são consideradas semipermanentes ou demipermamentes (e você já vai entender o porquê). Só que na Schwarzkopf você tem a Essensity, uma tintura permanente sem amônia.

O que faz a amônia

É ela quem vai abrir as cutículas. Com isso, o segundo componente dessa química toda pode entrar em ação: a Ox, também conhecida como peróxido de hidrogênio ou água oxigenada. Essa danada é quem vai destruir o pigmento natural do cabelo, a melanina.

A tintura funciona no cabelo graças à amônia e à Ox
(Imagem: Schwarzkopf)

É por isso que a Ox clareia o cabelo. É também por isso que é preciso escolher o volume certo da Ox que vai ser usada. Quanto maior a numeração, mais tons ela clareia, ou seja, maior é o seu poder de “destruição” de melanina. Vale lembrar que aqui conta também o que chamamos de tempo de pausa, que é o tempo necessário para que as reações aconteçam na medida certa, ou seja, o tanto que a química deve ficar agindo no seu cabelo antes de lavar.

E o que acontece depois?

Pode-se dizer que, com essas duas primeiras ações da amônia e da Ox, o terreno está limpo para a tintura assumir o processo. E aqui inicia o segundo trabalho da Ox, que é proporcionar um ambiente alcalino dentro do fio. Isso é importante porque os outros elementos da tintura só vão conseguir reagir em um pH alcalino.

Como funciona a tintura no cabelo
(Imagem: Schwarzkopf)

Opa… mas o que quer dizer pH? Em linhas gerais, pH é uma forma de medir quantas moléculas a mais ou a menos de hidrogênio estão presentes em um ambiente. O pH alcalino é quando introduzimos mais hidrogênio. Lembra qual é o outro nome da Ox? Peróxido de hidrogênio, ou seja, ela vem com uma carga a mais dessas moléculas tão importantes para conseguirmos mudar a cor dos cabelos.

Por isso é tão importante que a gente use produtos que reequilibram o pH depois da tintura. É o caso da linha Bonacure Color Freeze, com shampoos, máscaras, condicionadores e leave-ins desenvolvidos para cabelos com tintura.

Color Freeze Bonacure Schwarzkopf
(Imagem: Schwarzkopf)

Muito bem. Abertas as cutículas, destruída a melanina e alcalinizado o fio, chegou o grande momento: encontrar a cor desejada.

Formando a cor dentro dos fios

Aquela massinha que vem dentro do tubo de tinta, além de amônia tem vários outros componentes importantes para o processo de coloração. Entre eles estão o que chamamos de acopladores e precursores.

Resumindo, eles são a matéria-prima da cor. Sozinhos, são incolores ou têm uma cor totalmente diferente da que vai ficar no seu cabelo. Tanto que, pode observar, geralmente as tinturas são acinzentadas ou marrons, nada a ver com o que a gente vê depois do trabalho pronto, não é mesmo?

Schwarzkopf Igora Royal
(Imagem: Schwarzkopf)

É que para fazer a cor que vai pintar suas madeixas, os acopladores e precursores precisam reagir com as moléculas que serão mais uma vez fornecidas pela Ox. Já dentro do fio, todos esses elementos vão se ligando uns aos outros e é assim que se formam as cores.

Em suma: a amônia abre as cutículas, a Ox entra, remove a melanina, liga as cadeias químicas dos acopladores, precursores e outros elementos presentes na tintura e está feita a nova cor que ficará depositada no córtex.

E por que a tintura permanente não sai?

Exatamente por causa desse processo que você leu acima. É como se tudo isso fosse introduzido pequenininho dentro do seu cabelo. Essas moléculas reagem e se unem umas às outras formando, digamos assim, “moleculonas” bem grandes.

Se quando eram pequeninas, para conseguirem entrar nas cutículas já foi todo esse trabalho, imagine agora, que estão muito maiores do que quando entraram. Não tem jeito. Definitivamente elas não saem mais. A cor pode até dar uma desbotada, manchar, mas sair, jamais.

Schwarzkopf Igora Royal
(Imagem: Schwarzkopf)

Essa é a principal diferença em relação aos tonalizantes, já que esses não abrem cutículas, não removem melanina e nem depositam pigmentos no córtex. Por isso que duram menos, não resistem a muitas lavagens e desbotam com muita facilidade.

Agora que você entendeu como funciona a tintura no cabelo…

…continue não abrindo mão de um bom profissional para cuidar das suas madeixas. Principalmente se você não tem experiência com essa química encantadora chamada colorimetria.

E junte a isso produtos de primeiríssima qualidade como as tinturas da linha Igora, da Schwarzkopf. Sua tecnologia de alta definição de cor fornece lipídios e nutrientes aos fios enquanto fazem o trabalho de coloração.

As tinturas Igora Royal são de primeira qualidade
(Imagem: Schwarzkopf)

É claro que para preservar essa qualidade a Ox precisa ser da mesma linha. A Ox da Igora Royal é pioneira em apresentar propriedades baseadas em óleos que facilitam a penetração da cor pelas cutículas. Tal tecnologia reduz drasticamente o prejuízo aos fios.

Tudo isso vai resultar em uma cor muito mais vibrante, duradoura e saudável por muito mais tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *